Ir para conteúdo
Formações
Rank Group icon
Equipa Group icon

Furr. P.Pragana

Furriel
  • Total de itens

    219
  • Donativos

    0.00 EUR 
  • Registado em

  • Últ. visita

  • Days Won

    1

Histórico de Reputação

  1. Thanks
    Furr. P.Pragana deu reputação a 76Jaws em MARCAÇÕES NO MAPA   
    Boas,
     
    Ontem, no treino, tivemos uma formação sobre marcações no mapa. Houve a necessidade de uniformizar a simbologia e nomenclatura usada no mapa para que todos "falem a mesma língua". Muitas vezes as marcações são feitas para outra ou outras equipas sejam informadas daquilo que podem esperam quando vão para o terreno e é imperativo que quem lê as marcações saiba o que é que significa cada uma delas, sem necessidade de comunicações via rádio para esclarecer as mesmas.
     
    Deixo aqui o link do vídeo da formação que foi dada.
     
     
     
    NOTA: Ao min. 31:59 em resposta à questão do AceVentura (Se eu vir uma offroad com infantaria atrás, como é que marco?), cometi um erro em afirmar que a marcação seria como uma technical mais infantaria. Sendo que antes expliquei que a marcação de um veículo não armado seria VIC e uma Technical seria TECH, em que se assume que esta marcação tem implícita a existência de uma MG estática montada atrás, logo, uma offroad com infantaria atrás não se pode denominar como TECH mas sim como VIC. Daí que, a resposta correcta à pergunta seria, a marcaçao é feita como VIC INF. Se se souber o número de infantarias que vai na parte de trás marcar-se-ia por exemplo, VIC 6xINF.
  2. Confused
    Furr. P.Pragana deu reputação a SaLaZaR em OPERAÇÃO WHITEGULF   
    Boa Noite a todos, 
     

     
    Após o julgamento de “El Chapo”, em reunião com a DEA e vários representantes dos governos do México, Colômbia, Venezuela e Equador, com a ONU, foi decidido a implementação da Operação “WhiteGulf” para travar a crescente vaga de crimes e tráfico de estupefacientes. Plantações de drogas, tráfico de Armas, tráfico humano, lavagem de dinheiro, corrupção e associação criminosa são os pontos chave determinados a funcionar como objectivos principais desta operação.
     Embora os altos dirigentes da ONU desaconselham veementemente a intervenção militar contra estes crimes mas os representantes dos governos e a DEA, conseguiram demonstrar que os cartéis representam e funcionam como pequenos exércitos e como tal, deve ser combatido pela mesma força (militar).
     O Presidente da Colombia Iván Duque Márquez quer por força mostrar ao mundo que ao contrário de alguns dos seus antecessores, ele está isento de qualquer tipo de ligação à corrupção que favorece o narcotráfico.
     
    Assim sendo, foi destacada a BRR portuguesa para intervir na Colômbia em cooperação com o governo e exército colombiano.
    O primeiro objectivo é desmantelar o cartel Clan del Golfo (aliado do cartel Sinaloa de “El Chapo”, no México).
     O ELN vem por acréscimo por ser uma força paramilitar com ideologias de extrema-esquerda que quer uma Revolução de Cuba na colômbia, e quer derrubar o sistema democrático e dominar zonas chave da Colômbia. Muitas dessas zonas são dominadas pelos cartéis. O ELN que tomar posse das zonas que são verdadeiras rotas de narcotráfico para poderem financiar-se para a sua luta. Essas rotas estão na posse do Clan del Golfo, o que torna este Clan um inimigo da ELN.
     
    Forças Aliadas: Exército Colombiano ; Polícia Nacional Colombiana
     


     
    Forças Inimigas: Clan del Golfo (AGC) (1) ;  Exército Libertación Colombiana (ELN) (2)
    (1)

     
    (2)

     

    ELN - Uma parte significativa dos rendimentos do ELN advêm do "imposto de guerra", a que sujeita as companhias petrolíferas e eléctricas, e dos sequestros a troco de resgate. O ELN é responsável pela maioria dos sequestros na Colômbia. Até a morte de seu líder histórico,Manuel Perez, um padre espanhol que chefiou o movimento durante cerca duas décadas (até 1998), o ELN não se dedicava ao narcotráfico.
     
    O Observatório de Minas Anti-Pessoal coloca a hipótese não confirmada que o ELN, armam minas anti-pessoal com o objectivo de proteger os cultivos ilícitos de folha de coca para a fabricação de cocaína.
     
    Nos últimos anos o ELN tem-se incluído no negócio de mineração ilegal, isto é, aquela que não detém títulos mineiros nem control por parte do governo colombiano; principalmente na extorsão aos donos e exploradores destas minas ilegais, quem lhes paga uma percentagem do valor da sua exploração ou o direito de incluir retroescavadoras na sua área de influência, a troco de continuar a aproveitar os recursos naturais no subsolo.
     
    O principal recurso natural que se explora nestas minas ilegais é o ouro, das quais se crê que o ELN tem várias actividades de exploração directa, causando graves danos ao ecossistema de onde estão localizados estes depósitos, resultado do uso indiscriminado das rectroescavadoras para remover o subsolo dos bosques e a irresponsável disposição junto a fontes de água de mercúrio e cianeto, vitais para separar o ouro da terra removida, causando doenças na população civil.
    Pelo elevado custo do ouro no mercado internacional, converteu-se numa actividade igual ou mais rentável que o narcotráfico. Desde 2017 que se denuncia a presença na Venezuela do ELN e de dissidências das FARC, fazendo trabalhos como capatazes nas explorações de ouro, diamantes e coltan dos estados Bolívar, Apure e Amazonas; os dois últimos fronteiriços com a Colômbia, de onde estariam a trabalhar em aliança com o regime bolivariano para explorar os recursos minerais, transportá-los e entregá-los ao governo venezuelano, que agora recorre à exploração mineira como nova fonte de ingressos perante o declive da sua produção petrolífera, o que veio como consequência da crise económica, política e social que, em 2018, ainda padece o país vizinho, dando às Forças Armadas Venezuelanas um papel passivo fazendo-se “vista grossa” nos lugares onde estão os grupos ilegais colombianos.
     
     

    Clan Del Golfo (AGC) - A antiga Autodefensas Unidas de Colombia (AUC) foi uma organização paramilitar contra-insurgente e terrorista de extrema direita que participou no conflito armado interno na Colômbia, sendo o grupo criminoso a que foi atribuído o maior número de vítimas na Colômbia, com 94.754 assassinatos, incluindo mais do dobro de assassinatos cometidos pelas guerrilhas colombianas. Consolidou-se como um agrupamento paramilitar nos finais da década de 90 e o seu principal objectivo era, no início, combater organizações de esquerda ilegais como as FARC-EP, a ELN ou o ELP em várias regiões da Colômbia, aquelas que estavam controladas por várias facções do grupo guerrilheiro. Em 2006 desmobilizou-se o último dos 30150 homens que, segundo o alto comissário para a paz Luís Carlos Restrepo, pertenciam às AUC.
    A origem do grupo remonta a uma região chamada Urabá, um golfo localizado perto dos departamentos de Antioquia, Córdoba e Chocó, junto à fronteira com o Panamá, uma zona por onde se traficam drogas, devido a que são «corredores estratégicos» por onde se pode enviar mercadorias a outros destinos nacionais e internacionais.
     
    Ainda que as suas actividades começaram no Golfo do Urabá, a origem da organização está ligada a uma zona conhecida como Orinoquía ou os Llanos Orientales, de onde o narco-paramilitar Daniel Rendrón Herrera conhecido por Don Mario realizava todo o tipo de operações no Bloque Centauros, uma facção militar das AUC.
    Para as AUC, os Llanos sempre foram um corredor estratégico, um lugar onde se realizaram actos criminosos. O sector petrolífero e rancheiro sofreu constantes ataques. Os paramilitares apoderaram-se militarmente da zona, onde também se cometeram extorsões. E em alguns casos se supervisionava a produção de cocaína, por meio de laboratórios clandestinos.
     Naquela época, vendedores e todo o tipo de pessoas vinculadas ao narcotráfico enfrentaram-se com a guerrilha das FARC pela zona estratégica dos LLanos Orientales. No final da década de 90, os paramilitares e chefes máximos das AUC, Carlos e Vicente Castaño, deram ordens às suas milícias com fim a controlar e operar todos os negócios relacionados com a droga, tarefa que também era feita pelas FARC. No início da década de 2000, Carlos e Vicente propõem vender um dos seus esquadrões militares a Miguel Arroyave, um narcotraficante que finalmente conseguiu a compra do esquadrão por US $ 7.000.000. Sob a supervisão de Arroyave e Rendón, o Bloque Centauros estabeleceu-se como uma das facções guerrilheiras mais importantes das AUC. 
    O seu objectivo principal estava relacionado com o negócio do narcotráfico, também extorquiam empresários e pessoas dedicadas ao sector agrícola, assim como, os membros do grupo estabeleceram o chamado «imposto revolucionário» como sistema de financiamento. A extorsão também se estendeu a todas aquelas pessoas que comercializavam qualquer tipo de produtos, incluindo empresas petrolíferas que chegaram a pagar $20.000.000 mensais, segundo as declarações de vários ex-membros do grupo armado.
     
     O Bloque Centauros empreenderia uma série de ataques contra um grupo militar que actuava na zona, que era conhecido pelo nome de Autodefensas Campesinas de Caanare ( ACC). Uma das organizações mais antigas da Colômbia, liderada por Héctor José Buitrago Rodríguez. Durante 2004, a confrontação militar entre os dois grupos deixou uma grande quantidade de mortos, pelo menos 2000 pessoas perderam a vida. Finalmente, Daniel Rendón retirou-se para os Llanos Orientales, depois de várias discussões com MIguel Arroyave. Perante toda a situação sofrida, Daniel Rendón decidiu viajar ao golfo de Urabá.
    Uma vez localizado na região, consegue estabelecer contactos com o seu irmão Freddy Rendón Herrera, conhecido por El Aléman, outro narcoparamilitar e chefe máximo do denominado Bloque Elmer Cárdenas. No entanto, Miguel Arroyaves sofreu um atentado: membros das suas tropas decidiram assassiná-lo, com a ajuda de Pedro Oliviero Guerrero Castillo, um membro raso das AUC. Finalmente Freddy Rendón Herrera entregou-se às autoridades, enquanto o seu irmão Don Mario conseguiu estabelecer-se e controlar grande parte das actividades que anteriormente eram uma prioridade para Freddy. Uma das principais tarefas foi recrutar todo o pessoal possível que alguma vez trabalhara para o seu irmão, também falou com alguns membros da guerrilha do Ejército Popular de Liberación (EPL), com fim de vinculá-los e trabalhar sob o seu mandato. Uma vez consolidado dentro da região do Urabá, Don Mario enviou vários carregamentos de droga para a América Central, por meio de lanchas e botes. Até um máximo de vinte embarcações chegavam directamente ao seu destino. Daniel foi considerado « o capo do narcotráfico da Colômbia», segundo a opinião pública.
     
    Daniel Rendón tentou expandir o seu império, pelo que foi até ao Sul de Córdoba, pela região de Bajo Cauca, no Norte de Antioquia. Também viajou à cidade de Medellín, que estava controlada pela temida Oficina de Envigado (outro grupo criminoso e “descendente” do grupo de Pablo Escobar). Os homens de Daniel Rendón começaram uma luta contra os Paisas e pouco depois contra a Oficina de Envigado. A polícia culpou a organização de Daniel Rendón pelo homicídio de umas 3000 pessoas entre 2007 e 2009. A 15 de Abril de 2009, uma equipa de 300 comandos da polícia capturou Rendón numa quinta rural de Urabá. Depois da captura de Rendón, vários ex-membros do seu grupo foram trabalhar com os irmãos Úsuga David, Juan de Dios e Dario Antonio, dois ex-paramilitares de ranque médio que tinham trabalhado com Rendón desde a década de 90.
    Os irmãos começaram com uns 200 homens após a detenção de Rendón, e desde então conseguiram uma expansão territorial que abarca 182 municípios e também algumas zonas fronteiriças de outros países como a Venezuela, Equador e Panamá, onde se encontraram alguns membros.
    No início do mês de Janeiro de 2012, o chefe máximo do grupo, Juan de Dios é abatido pela polícia, numa quinta localizada no departamento de Chocó. Perante este eventual acontecimento, o Clã Úsuga empreendeu vários ataques contra as autoridades, como justificação da morte do seu chefe. O grupo destribuiu uma grande quantidade de panfletos ameaçadores e impediu a continuidade das actividades comerciais. Enquanto o seu irmão Dario Antonio finalmente ficou como chefe absoluto do grupo.
    Segundo a Corporação Novo Arco Íris, uma organização que promove a paz e o diálogo como resposta ao conflito armado na Colômbia, os do Clã Úsuga « são uma espécie de exército privado dos testa-de-ferro dos antigos paramilitares e estão a cobrar dívidas dos mesmos».
     
    O Clã Úsuga começou por denominar-se Clã Urabeños mas para evitar que pessoas que viviam em Urabá continuassem a ser conectadas com o Clã, passou a denominar-se Úsuga. No entanto Úsuga é um apelido disseminado por toda a Colômbia, daí que, alterou-se novamente a denominação e passou a ser Clã del Golfo já que a sua principal actividade centrava-se no Golfo de Urabá.
    Após a captura de Don Mario o clã para não perder a ala política que provinha ainda da antiga AUC, autodenominou-se Autodefensas Gaitanistas de Colómbia (AGC)
     
     
    Equipamentos:
    O equipamento pessoal será semelhante à campanha anterior, pelo que fizemos actualização ao armamento e ópticas, de acordo com o novo equipamento do Exército Português:
     

     
    Mapa da Área de Operações da FND Armalusa:
    De acordo com a informações obtida através da Polícia Nacional Colombiana, as áreas a Azul e Vermelho são as áreas onde se registaram maiores atividades dos Cartéis que vamos combater: 
     

     
    O Quartel-General (QG) da Armalusa, irá ficar sediado na Base Aérea Pathfinder.
     
     
    COMUNICAÇÕES:
    A VOSSA ATENÇÃO AOS CALLSIGNS:
     
    Comandos:         "MORCEGO"    SW - FREQ. 110MHZ
    Paraquedistas:  "LOBO"            SW - FREQ. 120MHZ
    Rangers:              "LINCE"            SW - FREQ. 130MHZ
    FAP:                      "JAGUAR"         LW - 30MHZ (Utilizar a frequência de Comando para solicitar a JAGUAR)
                                  "JAGUAR 1" Capitão @Luso ; "JAGUAR 2" @sandro1500 ; "JAGUAR 3" @1ºCb C. Martins
    COMANDO:    "GATO-BRAVO"   LW - 30MHZ
    EQUIPAS:                                      LW: 31MHZ
     
     
     
    LISTA DE MODS:
    https://steamcommunity.com/sharedfiles/filedetails/?id=1853090454
     
    Sem mais,
     
    Gato-Bravo Terminado.
     
     
     
  3. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a Sld. J. Gomes em Sugestão   
    Boas a todos,
    Gostaria de sugerir para que fosse discutido em staff, e/ou pela comunidade, o horário das missões passar para mais cedo, por exemplo ás 21h.
     
    Obrigado
  4. Confused
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de PeterSang em Armalusa - OP Minus Postal   
    Brincam depois la tem de ir os Paras a salvar o cu com a Rescue Team * 
  5. Thanks
    Furr. P.Pragana deu reputação a PeterSang em 3º Curso de Médico   
    Parabéns aos participantes do 3º Curso de Médico da Armalusa.
  6. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a 76Jaws em Resultados 1º Curso RTO - 2ª Parte   
    Membros avaliados:
     
    @CbAdj. P. Pragana   - 95% - Aprovado
    @2ºSgt.MiguelCR  - 63% - Reprovado
     
    Parabéns ao membro que passou.
    Ao membro que reprovou, irá haver mais cursos de RTO, é tentar na próxima.
     
     
  7. Sad
    Furr. P.Pragana deu reputação a Sld. J. Gomes em Fim do Mandato   
    Para melhor esclarecimento, 
     
    A minha saída do posto de Major não significa que vou deixar a comunidade, antes pelo contrário, vou continuar a vir todos os 3 dias de jogo e de vez em quando ainda vou fazer uma missões ao sábado.
     
    Saio porque após 2 anos com este projeto, (começou com a op. Gerbil em Agosto de 2017) está na hora de dar lugar a outros que também têm trabalhado muito em prol da comunidade, saio porque tenho menos tempo para dedicar fora do tempo de jogo, muitos de vocês não sabem, mas é preciso algumas horas dedicadas por trás de tudo o que vocês veêm, horas que neste momento não tenho, e que interfere com as horas que dedico á minha familia, e também saio porque estou cansado, tenho tido uns problemas de saúde ultimamente que me têm deixado um pouco apreensivo e com pouca paciencia para os problemas que vão aparecendo, por isso é melhor para todos eu me afastar de Major pois a comunidade continua a precisar de um bom ritmo de novo conteudo e ideias, felizmente a comunidade tem um grupo de staffs dedicado e que têm tudo controlado, pois não são "José dependentes" e como ao contrário do que me dizem por vezes, eu não sou um ditador nem estou agarrado ao poder...mas estarei sempre aqui quando precisarem.
  8. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a Sld. J. Gomes em Estrutura   
    Boas Comunidade,
     
    Informamos que todos os membros que não pertencem a nenhuma equipa com o rank de soldado a partir de agora tem de se juntar á 3º secção dos Paraquedistas, 
    e jogam como Riflemans.
     
    Não há exceções! 
  9. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a Kerozen em Criadores de conteudo   
    Equipa Bravo em Marwey

  10. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a Sld. J. Gomes em MINUSS   
    Camaradas,
    Ontem foi o "dia 0" da nossa estadia no Sudão do Sul, infelizmente começámos mal, aparentemente o avião teve uma avaria e tivemos que sair do mesmo logo na fronteira e andámos muuuuuuito apiados, com fome e sede passamos algumas dificuldades, ainda tivemos alguns feridos que já se encontram a 100% e estão aptos a continuar comnosco.
    Tivemos também contacto com alguns membros inimigos e 1 veic. Ligeiro .50cal.
     
    Hoje vamos iniciar manobras, 
     
    Próximas tarefas,
    Investigar crash site do c130, e reaver qualquer material que se encontre no local,
    Começar a procura por intel sobre possiveis locais usados pelas milicias, 
    Transportar a ajuda Humanitária para os civis,
    Passar nas cidades mais perto da nossa base para "sermos vistos" e criar boas relações, 
    E mais algumas coisas pontuais.
     
    Civis
    Ontem houve pelo menos 1 baixa civil, que foi atropelado inadvertidamente, é possivel que a população esteja um pouco menos tolerante á nossa presença.
     
    Equipamento
    Cada Companhia tem 1 caixa na sua tenda, com capacetes entre outras coisas.
     
     
    Em missão
    Todos os militares devem ter um capacete na cabeça ou na mala.
    É responsabilidade dos militares terem 2 cantis de água e 1 MRE para seu próprio consumo, se forem numa missão que se prevê longa podem levar o suficiente para sobreviver durante o tempo da missão.
    Deverão ter entre 6 a 8 carregadores quando saem em missão, excepto os MG.
    Quando saem em patrulha deverão carregar todo o material necessário para 2 dias de sobrevivência, excepto quando há ordens claras de que a patrulha será apenas 2 horas.
     
    Engenheiros
    É da vossa responsabilidade lembrar os vossos SL sobre a necessidade de transportar o fato de EOD, lembrem-se que pode ser a diferença de morrerem ou não.
     
    Romeus
    Todos os ROMEUS se devem juntar á equipa Bravo, (Paraquedistas) a menos que recebam ordens diferentes.
     
    MAJOR J. Gomes
     
  11. Thanks
    Furr. P.Pragana deu reputação a Sld. J. Gomes em Resultados do 3º Curso de AT/AA   
    @CbAdj. P. Pragana - 100% - APROVADO
    @Palma - 100% - APROVADO
    @Fonseca - 98% - APROVADO
    @SaLaZaR - 90% - APROVADO
    @76Jaws - 90% - APROVADO
  12. Like
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de 76Jaws em Se com isto não saio do aquário não sei   
    Se apartir de agora se não me houve vai dar merda 


  13. Like
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de PeterSang em 2ª Remessa da Insígnia da Armalusa   
    eu tou dentro
  14. Confused
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de capa em Fim dos simuladores de combate?   
    Loooooool que eu junto me ao mícronx
    xD
  15. Haha
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de Sld. J. Gomes em Guerra em Donbass   
    Essa não cola José tens de inventar outra coisa xD
  16. Haha
    Furr. P.Pragana deu reputação a Sld. J. Gomes em Guerra em Donbass   
    Caros camaradas, 
    Informo que a campanha vai ficar em standby durante um mês e que possivelmente o forum e o ts também, 
    Mais esclarecimentos logo ás 21.30h no TS.
  17. Thanks
    Furr. P.Pragana deu reputação a Mr.maggoo em 2° Almoço Armalusa   
    Mto bom  Fiquei com inveja d não estar aí. Mas MUITO BOM, ver as carinhas larocas do pessoal. Vamos a contar histórias d almoço, espero que todos tenham se divertido e chegado bem a casa. Forte Abrç a todos.
     
  18. Like
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de Rckiller em Guerra em Donbass   
    Coloca-se na frequência de longa do veículo , caso seja possível assim vais ter a frequência de veículo loga e o líder de veículo com adicional de convoy e o rto não terá que mexer nas frequências de longa dele só na adicional caso seja ele o líder de veículo como aconteceu na sexta feira, eu era líder do último veículo 
  19. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a 76Jaws em Operação UNAMA   
    Boas,
     
    Pela segunda vez consecutiva não consegui estar presente no último dia de uma campanha. Como tal venho aqui deixar a minha opinião sobre o que vi do conjunto das equipas.
     
    A missão iniciou-se com a movimentação das equipas às posições para o inicio do ataque e logo aqui tive a primeira reacção de levar as mãos à cabeça. Não houve azar nenhum, correu tudo bem mas podia ter corrido muito mal e comprometido todo o plano. Refiro-me ao facto da equipa Bravo e Charlie para se posicionarem escolheram percorrer a estrada que estava virada para a cidade que íam atacar e com perfeita visibilidade para a cidade. O problema é que da cidade também havia perfeita visibilidade para a estrada. Tiveram muita sorte de os Bots serem burros e não terem aberto as hostilidades logo aqui, o que tinha comprometido todo o plano de ataque.
     
    Depois não encontro explicação possível para o comportamento dos Falcões no início do ataque. Segundo o planeamento feito seriam eles os primeiros a abrir fogo. Todas as equipas estavam dependentes dos Falcões para iniciar o ataque. Infelizmente, pela segunda vez, falharam. A primeira vez foi uma falha legítima, sendo que não conseguiram acertar no alvo nas primeiras tentativas. Desta vez, o erro foi de procedimento e não de perícia. A AA estava bem identificada. Tinha ficado falado que iria um jacto a grande altitude fazer o ataque à AA. Os Falcões decidiram aparecer no terreno com um Apache. Tudo bem, não vejo que seja um problema. O erro foi, como todos sabem a aproximação do Apache a velocidade de andarilho à cidade. Aqui é que não há explicação possível que justifique esta manobra. Certamente quem o fez já se justificou e já levou o devido raspanete, por isso não me alargarei mais sobre este ponto. No entanto, não percebo como é que ninguém, que eu saiba (não vi o lado do comando), não comunicou de imediato com o piloto a informar que estava demasiado perto e ordenar que se retirasse imediatamente. O que eu vi das 3 equipas é que todos ficaram a olhar para o céu e a comentar que o Apache estava muito próximo e a voar muito devagar mas ninguém foi capaz de avisar o piloto disso mesmo.
     
    Como todos os planos correm bem até ao primeiro tiro, a consequência do abate do Apache levou à necessidade de socorrer os respectivos pilotos.
    O Comando deu ordem à equipa Alfa (que era a que se encontrava mais próxima do Crashsite). Claro inevitavelmente acabaram por se expor ao inimigo e abriram as hostilidades. Como consequência e porque todos sabem como os bots reagem, quase toda a cidade em peso se direccionou para o sector da Alfa.
    Sou da opinião que neste momento o Comando podia ter optado diferente do que se fez. Sabendo à partida qual a reacção dos bots, teria sido mais seguro ordenar a Bravo e Charlie abrirem fogo, ou da posição que estavam ou avançavam um pouco até uma posição confortável. Esperar que "a cidade" se voltasse para as duas equipas para depois, aí sim, ordenar a Alfa resgatar os pilotos. Assim eram duas equipas a aguentar a vaga de inimigos e não apenas uma equipa.
    A Alfa foi formidável e aguentou muito bem a vaga de inimigos sozinha mas podia ter corrido muito mal. Arriscou-se a uma equipa ser toda abatida.
     
    De resto, de forma geral, todas as equipas procederam bem, não houve acidentes de maior gravidade. Algumas baixas esporádicas mas nada que não fosse resolvido rapidamente.
    Alguns pormenores que notei falarei directamente com os respectivos Squad Leaders, simplesmente porque são pequenas falhas de procedimentos internos das equipas. Nada de mais.
     
    Para terminar deixo aqui um conselho para a equipa Falcões (toda a equipa, não é só para o piloto do Apache) : Sei que têm a dupla função de F.A. e Zeus. Garantam que a vossa execução como F.A. está aprimorada antes de se concentrarem na função de Zeus. A vossa função como F.A. está primeiro.
    Corrijam-se as falhas e garantam que pelo menos essas não se voltam a repetir.
     
  20. Like
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de Raising em Mostra-me a tua Máquina !   
    Não é nada de mais mas olha

  21. Like
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de CbAdj. Cardoso em Mostra-me a tua Máquina !   
    Não é nada de mais mas olha

  22. Like
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de 2ºSgt.MiguelCR em Mostra-me a tua Máquina !   
    Não é nada de mais mas olha

  23. Like
    Furr. P.Pragana recebeu reputação de Eaglesnuke em Mostra-me a tua Máquina !   
    Não é nada de mais mas olha

  24. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a Rckiller em Mostra-me a tua Máquina !   
    Sai nude: 
     

  25. Like
    Furr. P.Pragana deu reputação a Sld. J. Gomes em Mostra-me a tua Máquina !   
    2019
    (queria dizer que o concurso acaba dia 15 de Janeiro que só por acaso é o meu dia de anos)
    PS: sem pressão
     

×
×
  • Criar Novo...